Início »

Arquitectura

Estava quedo d’inspiração
O arquitecto das cores
Quando se toma d’amores
P’la melhor obra da criação

A mulher, esse ser perfeito
Serve-lhe então de modelo
Em toda essa área sem pêlo
Que vai do cóccix ao peito!

E especialista em traços
Há um plano qu’o fascina
Um movimento baixo-acima
Torneado em compassos!

Que nas suas construções
Subsiste o imaginário
Desse maior corolário
Registado nas gravações!

Tod’um molde curvo
É o seu maior fascínio!
Um projecto curvilíneo
Assente em molde duro!

É toda uma obra d’arte
Essa maqueta em vídeo
Que quase deu um livro
Não fôr’o arresto em parte…

Mas sobrou o essencial
Desse projecto d’anos
Onde em tantos planos
Se dava ao gosto habitual…

Sempr’a propensão
Pr’o travo traseiro
Como lugar primeiro
De tod’a projecção!

Como s’o edificio
Começasse por trás
E essa óptica voraz
Fosse mero frontispício!

Tod’a uma mestria
Na técnica condizente
D’um edifício reluzente
Em cores sem simetria!

E nisto novos projectos
Revelaram-no audaz!
E a técnica “por trás”
Gerou outros anexos!

Em mosaicos de cor
Floresceram arenas
Grandes e pequenas
De prémios Valmor!

E nisto não surpreende
Que d’Alvalade
Sobreviesse a liberdade
Par’a prisão de ventre!

Projecto de vanguarda
Novo paradigma!
Não de trás, por cima…
Por causa da descarga!…

alvalade-sanita

 
Anúncios

1 Comentário

  1. […] E nisto não surpreende Que d’Alvalade Sobreviesse a liberdade Par’a prisão de ventre!   […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: