Início » Efemérides » O amor em tempos de cólera

O amor em tempos de cólera

É por Sevilha andaluza
Tórrida e insinuante
Uma cidade, uma amante
Nos seus acenos de musa

Qu’o meu Porto foi feliz
No amor e nos negócios!
Por seu labor e seus ócios
Teve por Sevilha, meretriz!

Um amor inesquecível
Qu’o projectou como símbolo
Nessa universalidade, o tipo
Do Lusitano irresistível!

Um D. Juan português
Qu’outras musas tomaria
Por sua aura e magia
Foi Europeu e Japonês!

E nesse encanto de conquista
Um Português cheg’ao auge!
E só por Lisboa se reage
C’um processo sem pista!

Ou c’uma pista adornada
No ressentimento da troca
Para onde o MP desloca
Tod’a uma equipa formada!

Uma brigada especial
Para descobrir o segredo!
Que nesse Porto, o enredo
Só pode dar pena capital!

E ressabiados no jogo
Tentam provar o nexo
Num intricado processo
Que tudo provou como logro!

Um português tão modesto
Arvorar-se em conquistador?
Tomando de Sevilha, o amor
E de Yokohama, outro gesto?

Já pr’a não falar d’Alemã
Que se vergou no seu ímpeto
Ao ver a princesa do Mónaco
Ser seduzida com elán!

Um processo muito complexo
Este dum jovem rural
Tomar todas por igual!
Deixando Lisboa sem sexo?

Por isso a Procuradora
Tanto insistiu nessa tese
Que só em Lisboa aparece
Uma alma tão sedutora!

E não conseguindo provar
A tese da violação!
Queria, no mínimo a sanção
Qu’o levasse a jejuar!

Mas quem contraria a génese?
Quem renega a condição?
Qu’uma Irlandesa, por paixão
Outra conquista lhe desse?

E aí a raiva alastrou
Na Lisboa que não abdica!
Não lhes bastav’a Austríaca
E o toque qu’a endoidou?

E num assomo de desejo
Lisboa também quis gozar!
Por Amesterdão se deixou amar
No último minuto…um bocejo!

É aqui que se not’a estirpe
De quem vem pr’a conquistar
Como Casanova, libertar
A mulher da sua griffe!

Pois o amor é natural
E é por entre corpos nus
Qu’os beijos tomad’os por crus
Nos deixam a todos por igual!

E nisso Sevilha marcou
O Porto d’eterna mocidade!
Que de volta a essa cidade
Se lembra que um dia amou!

E isso o fará reviver
Essa paixão d’outrora!
Ontem com’o d’agora
O Porto amará a vencer!

Indescritível...
Indescritível…
Anúncios

1 Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: